domingo, 15 de janeiro de 2017

CÁSSIO 'VENDEU' A CARTAXO O QUE NÃO PODE ENTREGAR EM 2018
João Paulo Fernandes15 janeiro 0 comentários


Já registrei aqui que o grande sonho de consumo do senador Cássio Cunha Lima (PSDB) é destronar o governador Ricardo Coutinho (PSDB), e para tanto, tem se mostrado disposto a tudo, inclusive se aliar a históricos desafetos, como o senador José Maranhão (PMDB), para tentar derrotar o ‘Mago’ em 2018. Na prática, o tucano ainda não conseguiu digerir bem o revés eleitoral que sofreu nas urnas, em 2014.
No afã de derrotar Ricardo, Cássio começou a montar uma estratégia aparentemente viável. Primeiro, operou para que o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, trocasse o PT pelo PSD e, consequentemente, se afastasse do PSB. O intento deu certo, tanto que o alcaide mergulhou de cabeça no ninho tucano.
Com o rompimento político entre Cartaxo e Ricardo, o próximo passo de Cássio foi atrair o PMDB. E encontrou na sede por cargos de Maranhão o caminho mais fácil para colocar em prática seu plano de golpear o ‘Mago’. Sem muito esforço, convenceu o peemedebista a formar um grande acordo, visando as eleições de 2016 e 2018.
Só que, passada a eleição de 2016, a estratégia montada por Cássio que até então vinha dando certo, começou a enfrentar os primeiros problemas. O astuto senador tucano, que vendeu para Cartaxo a ideia de que seria ungido candidato a govenador em 2018 com apoio do PSDB e PMDB, não contava que apareceriam peemedebistas dispostos a melar o plano de vingança arquitetado para derrotar Ricardo.
Na verdade, não estava nos planos de Cássio o racha no PMDB paraibano, comandado pelo senador Raimundo Lira e pelos deputados Veneziano, André Amaral, Hugo Motta e Nabor Wanderley. A força da legenda peemedebista prometida por Cássio a Cartaxo dificilmente será entregue m 2018.
O grupo comandado por Lira, que não para de crescer, tem dado sinais claros de que não deixará o PMDB, ao tempo em que demonstra-se disposto a seguir até o fim com o propósito de manter o partido na aliança firmada em 2014 com o governador Ricardo Coutinho.
Se a dissidência dos aliados de Ricardo dentro do PMDB vai permanecer, ainda é cedo para afirmar. A única certeza por enquanto é que Cássio dificilmente entregará a Cartaxo o que prometeu para 2018.
Aguardemos, pois, as cenas do próximos capítulos da novela em que se transformou o PMDB paraibano.

Fonte: www.paraibaja.com.br
Sobre o Autor "Apenas um rapaz, latino-americano, sem dinheiro no banco sem parentes importantes, vindo do interior..." João Paulo Fernandes Facebook

0 comentários

Postar um comentário